Duas manifestações, uma em cada cidade marcaram o terceiro dia do pagamento de subsídios as vítimas do ciclone IDAI na cidade da Beira. Sentenas de supostos beneficiários amontinaram-se na delegação do instituto nacional de acção social em Sofala ,para apresentar diferentes reclamações e exigirem explicações sobre o paradeiro do dinheiro a qui tinham o direito de receber. Na circunstancia os voltosos desrespeitaram o cumprimento das medidas de dostaciamento social impostas pelo governo central. 

Rosa contou aos jornalistas que no passado sábado, numa das listas fixadas na escola secundária Samora Moisés machel na cidade da beira viu o nome do seu marido, na terça-feira logo pela manhã dirigiu-se a mesma escola afim de proceder com o levantamento do valor mas sem sucesso nenhum. 

"Infelizmente, esqueci o bilhete de identidade em casa, não me deixaram levantar o valor. Sai a correr para minha casa e retornei a escola cerca de uma hora depois. Para o meu espanto, quando chegou a minha vez para levantar o valor notei que alguém ja tinha assinado no meu lugar e levantado o meu valor. 

Os agentes da INAS nesse dia,  afirmaram que não sabiam em que circunstancias o dinheiro teria sido levado, recebi orientação para seguir até a delegação do INAS".

Uma facto idêntico aconteceu com luisa zacarias, que depois de ter ficado cerca de 3 horas na fila, chegada sua vez, foi imformada que alguém já tinha assinado e levantado o seu valor. 

Enquanto isso no Dondo os manifestantes exigiam clareza em relação ao processo de pagamento do subsidio. Parte dos entrevistados alegaram que foram cadastrados no ano passado, dai que de acordo com o INAS, só pessoas registradas nesse período é que tinham direito ao subsidio. 


Fonte: jornal "O pais"


Postagem Anterior Próxima Postagem